domingo, 19 de outubro de 2008

Vidas e vida

Vidas e vida

João Luiz Mattos Souza

Ter a certeza não é muito

Chorar é consolo quando não se tem quem ama

Amar é instrumento de dor e sofrimento

Quando não se sabe ter nem fazer

O sofrer é motivo vazio

Não vencerá com desespero

Choro e medo

Busque solução na sabedoria

Sem me envolver certamente não sofreria

Amaria

Já te dei chances de mais de acertar

Não é agora que você vai ter êxito

Na verdade eu sofro mais que você em tudo isso

Quero apenas meu espírito guerreiro de volta

Sua coragem não me faz medo

Seu pesar é fruto das sementes que você mesmo plantou...

Dançou!



terça-feira, 7 de outubro de 2008

Atwa




Atwa

João Luiz Batista Mattos


Se eu quero eu faço

Beleza não é fundamental mas ajuda

Ser legal é fundamental sim...

Falar ou escrever aquilo que magoa não ajuda

Fala-se ou escreve-se o que quer aí é que são “elas”

Vamos em frente...

Até porque mesmo com boas saídas

Nada fará lembrar aquelas tardes

E aí faz-se a “viagem de volta”

Mas até quando seguir enganando a si mesmo?

Vai ter um dia em que ficará insustentável para todos

Não vai conseguir manter uma ambigüidade

E o que fazer...

Embora eu queira não me importar

Mas eu me importo e sinto

Contudo vejo você não se importar

E uma hora não vou sentir

Vou voltar a comer, a dormir e a viver

E não vou me importar

Com nada que venha de você

Tem um ditado que diz

Eu quero, eu faço

Querendo o mundo ou não

Vou voltar a ver, ouvir, falar e sentir...

Aí sim vai valer a pena

Porque não vou me iludir com o que sentia pois não vale a pena

Embora saiba o quê sinto
Não se importa

E eu não quero sentir mais...

Quero apenas viver...




sábado, 4 de outubro de 2008

Como tudo é!


Como tudo é!

João Luiz Mattos Souza

Nunca pensei chegar até você

Às vezes, me perguntava se queria mesmo começar.

E vi Deus me mostrando a quem amar

Não estava disposto a me entregar

Queria apenas ver o mar

Sorrir, pensar

Ter alguém legal pra compartilhar

E você veio devagar

Chegou como quem não queria chegar

Pensei até que era só até o verão acabar

Como todo verão

O verão passou

Contudo você não

Fez o meu outono mais bonito

E olha que eu sei que nos conhecemos no inverno

Nosso amor nasceu

Como nasce uma flor

Dou graças a Deus que nós sabemos cuidar

Amar, cuidar

Quero sempre contigo poder contar

Pois te amo muito e não quero te deixar

Ah! Enquanto as folhas caem e o sol de mais um outono chega

Quero continuar te amando como uma princesa

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

O poema


O poema

João Luiz Mattos Souza


Quantas vezes meu coração soube

Que de vez em quando é bom se poupar

Nem sempre é bom prantear

Ele foi avisado pelo Criador

“Enganoso és tu”

Mas ele não ouviu

Se entregou e sorriu

Mas foi um sorriso que durou até a noite

Oh! Noite...

Porque tava tão fria?

Vazia...

Agora ouço músicas que passam na TV

Elas passam por passar

Na iminente falta de você

Eu sei onde estas

Mas não sei como encontra – lá

Estou preso num sonho que insiste em se tornar pesadelo

Quero voltar a sonhar

E tentar perceber

Que vale a pena viver então.


Areia fofa



Areia fofa

João Luiz Mattos Souza

De ter quem mandar fazer
De ter quem mandar buscar

De quem querer sofrer

Só pra se alucinar
Hoje eu não fico perdido

Já sei por quem tomo partido
Homens divididos

Aconteceu comigo
Mas quando se sabe lidar com o mal que há em você

Entende – se o bem que há em você

Sua covardia, só por você querer ser o centro, me deixa agoniado

Quero ser livre pra ter paz
Amor, calma, sapiência

Letras, números e fonemas

Vidas, mortes, dúvidas

Onde você quer chegar com a sua vida?

Digo a você que hoje eu acordei feliz!